Praia do Guaiúba e sem carro. 

Cada vez mais conheço pessoas que optaram por não ter carro, e que até nem dirigem. Essa onda de camelos cresce cada vez mais em São Paulo e no mundo. E antes fosse pela consciência de emissão de carbono, mas as pessoas estão deixando de ter carro pelo crescimento das alternativas de locomoção, aumento da violência e chancelada pelo custo de se ter e manter um carro na maior metrópole da América Latina, estão nos levando para esse caminho sustentável. Continue lendo “Praia do Guaiúba e sem carro. “

Anúncios

como fazer um roteiro de viagem?

pode acontecer da gente decidir viajar, com um amigo ou sozinho mesmo, e nem saber por onde começar.

olha, eu sou do tipo que amo fazer meu próprio roteiro ( pra mim, uma das melhores partes da viagem) e acho que posso ajudar com algumas dicas de por onde e como começar.

não curto muito pacotes, eu mesmo compro a passagem e faço todo roteirinho e as pesquisas. é demais!

Roteiro de Viagem

1 – lista dos lugares sensacionais

bem, primeiro de tudo, independente do destino, faça uma lista de todos os lugares legais e sensacionais do país, estado ou cidade que vai conhecer.  e se não souber nem o que tem pra fazer de legal, é só dar-um-Google, que rapidinho consegue encontrar.

Nas cidades mais pacatas, eu sempre entro no site da secretaria de turismo, procuro sobre o mercado municipal, festas típicas e no Trippics a gente sempre acha alguma coisa.

bem, faça essa lista sem se importar a priori, com custo, tempo e onde fica. simplesmente saia listando os locais e curtindo essas tais fotos incríveis.

2 – time is money

depois de listar esses lugares, selecione os mais legais e veja se cabe nos dias em que vai estar lá, considerando os deslocamentos necessários. nesta fase, sempre acabo olhando passagens de avião, para ir e vir (alguns lugares precisam de deslocamento aéreo). Ex.: Nasca no Peru; Johannesburg na África do Sul, e etc..

junto com esse tempo, já veja também os valores de cada passeio. assim já poderá prever mais ou menos quanto reservar  e como dividir a verba para as atrações.

3 – divisão da verba

costumo dividir a verba da viagem por segmento: atrações, hospedagem, passagem e comida-compras.

cada destino tem um segmento mais importante e é nesse segmento que sugiro destinar a maior parte da verba.

Me explico: se o destino for Nova Zelândia, a maior parte da verba vai ser no segmento Atrações. Já em Paris, destinaria a maior parte da verba para Hospedagem e Comida-Compras (haha).

Isso ajuda muito se a grana for curta, pois você consegue definir prioridades, e na hora de escolher onde vai ficar e incentiva a economizar em alguns itens.

4- Escolher onde ficar

Eu sempre tive pânico de hostel. Peguei uns beeeem ruins na África do Sul (principalmente em Jeffrey’s Bay). Mas, depois que eu conheci o Hi Hostel, minha vida mudou. Só tem hostel legal, no mundo inteiro e por um preço IN-CRÍVEL.

No site deles Hi Hostels Brazil você localiza as unidades credenciadas pelo Brasil todo. Na próxima trip, vou ficar de novo no Hi Hostel de Bonito e também em um hostel da rede na Pampulha. Depois conto detalhes. =P

Hostel é muito legal, como eu falei, mas sinceramente, não abro mão de ficar uns diaszinhos em algum hotel mais gostosinho. O hostel é muito bom, e dividindo quarto você conhece muita gente bacana, e é mais legal ainda quando você viaja sozinho. Maaaas nada como tomar um banhão em um mega chuveiro, né? rs

Com isso, sempre faço isso: a viagem toda em hostel, e 1-2 dias em hotel mais gostosinho pra relaxar bastante.

funciona, vai por mim.

5 – caderninho de bordo 

no final das contas, eu anoto tudo em um caderninho de bordo. nele, eu consigo fazer listas do que levar, do que falta, dos “to do” e que depois, ainda serve como caderninho SOS de telefones úteis, dados das passagens, voos e horários.

Ele é mil por cento útil (e salva a vida) quando acaba a bateria do celular.

 

6- roteiro não é prisão

nao quer dizer que porque você fez um roteiro, tenha que o seguir a qualquer custo. mesmo porque, coisas muito melhores e inesperadas podem surgir no meio da viagem. por isso, sempre deixe 2 dias sem atividade, e só reserve antecipadamente o que for imprescindível (ou muito lotado sempre). Sempre pode chover, mudar o tempo, ou sei lá. seja aberto a mudanças de plano e deixe o destino te surpreender.

bem, é isso.

espero ter dado dicas boas e te inspirado a procurar novos destinos e a fazer seu próprio roteiro.

un beso y un queso.

Kirstenbosch – National Botanical Garden

Queria voltar nesse dia de sol.

National Botanical Garden

O jardim botânico Nacional da Äfrica do Sul é sensacional.

Sensacional, no sentido literal da palavra: o que promove sensações.

Muitas flores, muitos tipos de árvore, e uma paz descomunal.

Neste dia que estivemos lá, eu e a Kelen, 24 de dezembro de 2011, o parque estava vazio e não tinha quase nenhum barulho além do das águas do riachinho.

Eu, preguicei e fiquei sentadinha na grama, enquanto a minha amiga desbravava o parque.

O parque é uma mistura incrível entre o natural e o natural com intervenção humana (intervenção respeitosa).

Me explico: muitas esculturas espalhadas, animais soltos, muito colorido, córregos, restaurantezinho com lanches maravilhosos (um dos melhores que comi em Cape Town) e bastante documentação de nomes, tipos de vegetação, relógio solar e etc.

Para chegar lá, tivemos que pegar um trem até Woodstock, e depois um taxi até lá. (Dá para ir apenas de taxi, mas quisemos economizar).

A entrada para estudante custa 25 rands, aproximadamente 6 reais.

Saudades, saudades, saudades desse dia, em que passei a tarde toda agradecendo a Deus pela minha viagem.

Parecia que ele estava na grama, deitadinho ali ao meu lado.

Talvez estivesse, realmente.

#ThankyouGod

Tipos de Safari na África do Sul

 

Tudo que ficou mais claro no meu coração com relação à Africa do Sul, é que lá é o melhor lugar do mundo para ter contato direto com os animais, e um lugar que muda a vida, por isso, vale muito a pena guardar as economias e investir nessa experiência.

Além de conhecer pessoas incríveis e ouvir histórias de tirar o fôlego, em lugares como esse é possível conhecer mais da real vida selvagem.

Mesmo com essa popularidade toda, muita gente, mesmo lá na África do Sul, fica muito em dúvida sobre o que fazer principalmente quando o assunto é Safari.

Vivenciei algumas coisas na terra do Mandela, e aqui vão algumas dicas:

Para escolher o safari, é preciso entender a proposta, e levar em consideração quanto tempo tem disponível e o quanto pretende gastar.

O que é um safari?

O safari é um jogo, que consiste em passeios em carro (ou a pé) afim de observar a vida animal, vegetação, e meio ambiente local. Pode ser feito em carros fechados, carros próprios ou 4×4 abertos.

Lá, chamam de Big Five os 5 maiores e mais difíceis animais da África. São eles: Leão, Búfalo, Rinoceronte, Leopardo e, claro o elefante.

Kruger Park, O Safari

O Kruger National Park é um dos maiores locais para Safari da África do Sul. Lá é um dos melhores para curtir os animais selvagens em seu habitat, e dá realmente pra sentir a vibe de vida selvagem.

No Kruger  TUDO é natural (lagos rios florestas, descampados, vegetação e e etc), e como mencionei os animais nasceram lá.

Estive no Kruger durante 4 dias no acampamento (existe opção de quartos privativos e mais luxuosos também).  Dormi em uma cabana, e foi incrível, porque as hienas chegam pertinho a noite, tem manada de elefante passando perto de madrugada… MUITO MASSA!

326974_334832379860627_483532218_o
Camping no Kruger

 

IMG_1044
Elefante selvagem
IMG_1047
Hienas, perto do acampamento
IMG_1173
Elefante Selvagem

IMG_1174

IMG_1175

IMG_1177
Insira um título

IMG_1178

Como eu disse em postagens anteriores o GAME 4×4 (ou Safari), é literalmente um jogo, pois pode-se ou não encontrar os animais.  Algumas pessoas não conseguem ver todos, nem após 4 dias de busca.

IMG_1195
Israel, nosso guia por 4 dias de safari.

É cansativo mas vale muito a pena. As histórias contadas pelos guias, a grandiosidade dos animais, e nos depararmos com a nossa fraqueza, muda a vida.

Todo o pacote (contando passagem aérea, hospedagem em Johannesburg e o Safari, desembolsei R$ 2,000.00 em 2011, aproximadamente).

Para este passeio é necessário dispor de pelo menos 5 dias (4 dias só no Safari) pois é necessário estar em Johannesburg as 6:00 a.m. para a saída rumo ao Kruger Park.

A chegada acontece 4 dias depois a noite.

IMG_1375

Existem outros pacotes de menos dias no Kruger. Mas como é uma das experiências mais incríveis na África, recomendo que sejam dedicados mais dias a ele.

Game Lodge

Antes de ir parar no Kruger, fiz um Safari menor no caminho do Garden Route [rota bem famosa que vai da Cidade do Cabo até Port Elizabeth].

Neste lodge, é possível ver o BIG FIVE (Leão, Leopardo, Búfalo, Rinoceronte e Elefante), mas é bem menor.

Você consegue ver os bichos mais de perto. No entanto, essas reservas geralmente são “arranjadas”, ou seja, foram montadas, cercadas e os animais foram postos lá, não é onde nasceram.

É possível tirar boas fotos neste tour que leva cerca de 3 horas sobre um carro aberto.

394731_338575286153003_1561004037_nsa-gardem-route-2378.jpg

Para este Safari, é interessante fazer o Garden Route (Rota 62 pelo litoral Sulafricano), é o que vale mais a pena. TODA trip do Garden Route custou ficou em torno de R$1.000,00 (em 2011) + extras opcionais (Game 4×4 100,00 reais aproximadamente), e você dispõem de 4 a 5 dias. Nesses dias você conhece muitas praias, passa por santuários de Elefante parques nacionais e etc.

Safaris em Cape Town e Wine Lands

Existe ainda”safaris menores” em Cape Town, que custam em torno de R$150 reais, em que você com certeza verá a maior parte dos bichinhos, mas é no esquema quase zoológico. Não tem aquele ritmo aventureiro de vida selvagem, como no Kruger.

NO ENTANTO,  se a ordem é não gastar muito e tempo em Cape Town é pouquíssimo, uma opção em que você consegue ter contato com os bichos, mas que NÃO é safari, é o tour pelas WINE LANDS, em Cape Town.

Lá, além de provar os vinhos, é possível conhecer as CHEETAS [guepardos] – um dos animais mais rápidos do mundo –  e conhecer um viveiro de pássaros MUITO MASSA.

Wine Lands, Cape Town - Africa do Sul

Este Tour dura pelo menos meio dia.

Wine Lands, Cape Town

Seja qual for a sua escolha de safari, fique tranquilo pois a África do Sul foi a melhor de todas. Com certeza será uma das maiores experiências da sua vida.

Respeite e entenda a vida selvagem e a natureza de cada um.

Se tem alguma dúvida, quiser mais infos, comentem aqui ou me mandem e-mail no bah.almeida89@gmail.com

 

Blog no WordPress.com.

Acima ↑