dia da consciência negra

a viagem que que fiz para a áfrica do sul em 2011, me fez mergulhar em uma realidade extremista do racismo. recém apaziguada, a áfrica do sul simboliza pra mim a referência de reconstrução moral e civil. em menos de 20 anos da libertação e eleição do mandela, conseguiram ser um país tolerante, graças aos mais de 50 anos de luta incessante pela paz, igualdade e democracia.Apartheid Museum

é difícil não olhar para o mundo, e não ver histórias como a do apartheid se repetindo. nos EUA e principalmente no Brasil, a cultura de favorecimento de classes, raças e cores é uma realidade abafada.

Nelson Mandela House, Soweto

não vou entrar em méritos políticos. apenas na constatação social. basta olhar em volta, no trabalho, na faculdade, e contabilizar quantos tem acesso a quais tipos de situações.

acredito ainda que, este dia, mereça a amplitude do significado: a luta contra o racismo e xenofobia, seja ele qual for.

 

com isso, compartilho os pensamentos, filmes e livros que mais me fizeram pensar sobre o assunto:

Filmes

Invictus, 2009 – Clint Eastwood

The Butler, 2013 – Lee Daniels (O Mordomo da Casa Branca)

Goodbye Bafana – Bille August (Mandela, A Luta pela Liberdade)

Freedom writers, 2007 – Richard LaGravenese (Escritores da Liberdade)

 Django Livre, 2013 – Tarantino

 

Livros

O Diário de Anne Frank

K. Relato de uma busca – Bernardo Kuscinski, Cosac Naify

Como um peia n’água – Daniel Nesquens – Cosac Naify

Preconceito linguistico – Marcos Bagno, Edições Loyola

Não existe amor em São Paulo – Ferréz

Nelson Mandela by Himself – Pan Macmillan South Africa

Mayada, filha do Iraque – Jean Sasson, Best Seler

 

“Celebrate the nobility of our ideals of creating a non-racial and non-sexist society” – Mandela on SA, august 2008

“A jornada nunca é longa quando a liberdade é o destino” – Mandela.

 

hoje nós celebramos o dia da consciência negra no Brasil.

Anúncios

It is not polite…

O primeiro choque cultural, foi na viagem pro Garden Route (interior da Africa do Sul).

Éramos 5 brasucas, dois holandeses, dois alemaes, um britânico e uma espanhola, e nunca, mas nunca  o Brasil me pareceu tão distante, como neste evento, em particular.

O suposto churrasco à que fomos convidados (com carne de Avestruz) iria começar as 19h.

Como uma boa brasileira, tratei de ir tomar banho antes do jantar, e me preparar para a noite que estava chegando.

Eram quase 18h, quando chegamos na pousadinha, com 1 banheiro, e um monte de gente pra se banhar.

Já entendeu que a conta não casou, né?

Churrasco pra gente, significa: Chegue a partir das 19h, e seja feliz.

Juro que não esperávamos que um churrasco seria algo quase sem fumaça, com hora para começar e 40 minutos de duração.

Bem, procedeu que a Holandezazinha (sim, ela merece dois “Zs” na palavra), começou a nos insultar (falar da gente para TODAS as outras pessoas) chamando-nos de mal educados pra baixo, por que na hora marcada de começar o churrasco, estavamos todas nos arrumando e nos embelezando. rs

Se vc nunca sentiu isso, tomara que não sinta. Alguém te recriminando, desdenhando e te condenando, por algo que simplesmente faz parte da sua cultura.

Pois a questão ali não era respeito, era apenas um choque de cultura.

Bem, parte das brasucas sairam da mesa p* da vida, e eu continuei lá, parada atonita, querendo VOAR no pescoço da gata.

Bem, virou que mexeu que consegui falar com ela e dar um toque sutil (quem me conhece sabe a sutileza) de que respeito é bom e conserva os dentes na boca.

Bem, não adiantou muito gastar minha saliva preciosa com ela. Ela (es) não entendem.

Bem ou mal, e cada um com sua peculiaridade, a Europa é “unida” por um mesmo senso comum. O Brasil, em contra partida, está muito distante de tudo isso.

Temos nossos proprios hábitos, diferenças, manias, linguagem, horários, comprometimentos, abandonos, compreensões, compartilhamento com o próximo, e o mais legal: engraçado e carinhoso.

Aqui vai, o que descobro sobre o meu pais, enquanto estava lá:

– Nós dividimos uns com os outros. É comum pra gente, dividir um refri no almoço, por exemplo, com uma amiga de trabalho, já que vc não vai tomar tudo mesmo.

– Nós somos muito engraçados. Amamos piadas, brincadeiras, festa, diversão.

– Nós fazemos amizade com os cozinheiros, faxineiros, guias, mendigos. Garçom então, são nossos preferidos.

– Futebol é muito mais presente na minha vida, nas minhas raízes, do que eu pensava. Assim como o samba.

– Nós comemos MUITO sal.

– Nós comemos muito bem.

– Nós temos muitas lendas e supertições enraizadas. (Tente explicar a lenda do Boto-cor-de-rosa para um gringo, ele vai achar que você é doido).

– Nós somos muito vaidosas.

– Nós somos muito noveleiros e alienados com a nossa própria política pública.

É isso.

Que nós possamos nos orgulhar e ENJOY OUR BRAZILIAN WAY.

Bah

The first culture shock happened on the trip pro Garden Route (interior of South Africa).

We were 5 brasucas (brazilian-girls), two Dutch, two Germans, a British and a Spanish woman, and never, but never seemed so far away Brazil, as in this event in particular.

The supposed barbecue that we were invited (with ostrich meat) would start at 7pm.

As a good Brazilian, I decided to take a shower before dinner, and prepare for the night that was coming.

It was nearly 6pm when we arrived at the lodgings, with just a bathroom, and a lot of people to take shower as well.

Already understand that the account is not married, right?

Barbecue for us (brazilians) means: “Arrive after half past 7pm, and be happy”.

I swear I did not expect that a barbecue would be something almost no smoke, to get hours and 40 minutes.

Well, that made the Little-Dutch (yes, little), began to insult us (speaking for ALL of the others) calling us not-polite down. All of this, because we’re not on the time match.

If you never felt it, hopefully it does not feel. Somebody berating, belittling, and condemning you for something that is just part of your culture.

Because definitly, there was no question about be or not to be polite, was just a culture-shock.

Well, part of the brasucas (brazilian Girls) were fkng angry, and left the table , and I went there, still stunned, wanting to fly in the neck of the cat.

Well, I got touched turned to talk to her and give a subtle touch (who knows me knows the subtlety) that compliance is good and keeps the teeth in the mouth.

Well, did not cut much spending my precious time with her. She does not understand.

For better or worse, and each with its own peculiarity, Europe is “united” by the same common sense. Brazil, starting in counter, is far from all that.

We have our own habits, differences, mannerisms, language, schedules, commitments, abandonments, understanding, sharing with others, the cooler, funny and caring.

Here’s what I discovered about my people while I was there:

– We share with each other. It is common for us to divide a soda at lunch, for example, with a colleague, since you will not even take it all.

– We are very funny. We love jokes, games, party and have fun.

– We make friends of cookers, cleaners, guides, beggars. Waiter then, are our favorites.

– Football is much more present in my life, in my roots, that I thought. And the samba as well.

– We eat too much salt.

– We eat very well.

– We have many legends and superstitions rooted. (Try explaining the legend of the dolphin-pink color to a foreigner, he will think you’re crazy).

– We are very vain.

– Most of us are alienated from our own public policy.

That’s it.

May we be proud of and ENJOY OUR BRAZILIAN WAY.

Bah & Google translate 😉

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑