PETAR, um roteiro de aventura

Se soubesse que é tão legal, teria ido muito antes!

O Parque Estadual Turístico Alto do Ribeira que fica a 320km de São Paulo,  concentra a maior quantidade de cavernas no Brasil, e as que estão abertas para visitação são incríveis.

Já escrevi no post anterior como considero as cavernas atrações imperdíveis, e já as considerava assim mesmo sem ter tido este, que foi com certeza, um dos maiores hot spots brazil para o meu Currículo Aventura, que venho formando com bastante cuidado, desde 2009.

Bem, vamos ao que interessa. Foi MUITO MAIS DO QUE ESPERAVA!

O roteiro foi curto, de apenas 2 dias, mas mesmo assim, conseguimos conhecer 4 cavernas, pela ordem: Ouro Grosso, Lambari de Baixo, Água Suja (que de suja não tem nada) e por fim a famosa SANTANA.

Já contei que havia estado em cavernas [ em 2011 nas Cango Caves, África do Sul | e em 2013 em Bonito, no Mato Grosso do Sul], porém todas essas eram secas, ou seja, não tinham percurso com água.

Essas do PETAR foram as cavernas mais legais de todas, pois no percurso tinha MUITA água!

Para começar, fizemos um pequena trilha até chegar na Caverna Ouro Grosso. Nessa Caverna, encontramos animais pelas paredes, e no final uma pequena cachoeira para banho. Foi demais!

11214287_1042682319075626_6683350429894521742_n

996105_1042681389075719_8068207543707781_n

11741286_943036889076144_6633047691545377333_o

11987192_1042681155742409_5080462648852008745_n

 

Na Lambari de Baixo, tivemos um Rio para atravessar, e o percurso foi todo dentro dele! Super emocionante.

11987192_1042681319075726_4225363228346140862_n

11949481_1042680292409162_8255269119348036842_n

Já na Água Suja, Dia 2, fizemos uma trilha linda [e consideravelmente compridinha], porém com um das mais bonitos salões que pudemos encontrar. Nessa caverna, também encontramos uma queda d’água no final. Juro! é incrível a experiencia de tomar banho de cachoeira no escuro! Foi uma sensação indescritível.

11230255_943037149076118_757590511899078239_o

11987066_1042680359075822_3641491321813708329_n

11988322_1042884552388736_1105658837964304335_n

A Caverna Santana, é muito pertinho do lugar em que deixamos o carro. Tem salões imensos também, porém nesta, não tocamos na água, andamos por cima, sobre trilhas suspensas.

11222576_943043152408851_2016100209884382543_n

12002144_943043032408863_7490636793749794601_n

 

Veja mais Fotos clicando aqui.

 

O QUE LEVAR PARA AVENTURA EM CAVERNA: [O que levar para PETAR]

  • Tênis de trilha [o tênis de corrida escorrega demais, e dá instabilidade tanto nas trilhas como dentro das cavernas, portanto, não recomendo]
  • Head Lamp [ ao invés de lanterna de mão. pois ela deixa as mãos livres para segurar e como apoio para subir e descer]
  • blusas de manga comprida e calças [além do frio que faz dentro da caverna, por conta de passagens estreitas e animais, só é permitido entrar nas cavernas de blusa da manga e calça! Bermudas e regatas apenas nas trilhas]
  • repelentes [lá os borrachudos são transformeres, mesmo de calça, passe repelente a cada vez que sair da água ou suar muito]
  • água mineral
  • caixa estanque para máquina
  • mochilas ou bags a prova d’água


12006177_1042683242408867_166657569765260279_n

11998994_1042682152408976_5915385251756571591_n

O roteiro da viagem foi feito pela galera da PURA VIDA AVENTURAS, não preciso nem dizer que foi demais! Incluindo transporte, alimentação e atividades monitoradas foram muito bem gastos.

Apesar da aparente pouca distância da capital, o trajeto pode levar até 4h30! Isso porque além da Serra do Cafezal (que precisa ser dirigida com a maior atenção do planeta) ainda temos cerca de 80 Km de estradinha vai-vem cheia de curvas).

A Pousada que ficamos foi a Casa de Pedra. Comida das melhores do mundo, super aconchegante, com piscina e direito a fogueira a noite.

Iporanga é uma cidadezinha bem bonitinha, antiga, pequena e pouco desenvolvida, bem pacata. Existem um ou dois bancos (Bradesco e Caixa se não me engano), mas é o melhor lugar para ficar, quando o assunto é PETAR.

A parte mais difícil na viagem inteira foi tirar fotos. Estamos estudando e em breve teremos posts com dicas de como fotografar nesse tipo de ambiente (escuro, com movimento).

Fique ligado no facebook do BrazilianFeet e da Pura Vida Aventuras, que sempre tem novidade, aventura e coisas boas da vida.

é isso! ❤

Anúncios

O que que eu fui fazer em Manaus?!

dessa vez meus pés e meu coração foram levados para Manaus, capital do maior estado do Brasil, o Amazonas.

Os números dessa região são fenomenais: a Amazônia é o maior bioma do Brasil, o maior bioma tropical do mundo e tem maior bacia hidrográfica do planeta com 6mil km2 e 1,100 afluentes.

IMG_8585
A cidade é o maior centro financeiro e econômico da região Norte. e tem a maior ponte estaiada do país, com 3,600 m, sendo 400 suspensos por cabos.

tá fácil saber porque foi uma das melhores viagens até hoje, né?

com apenas 3 dias inteiros disponíveis, tive que correr pra fazer o maior número de coisas possíveis.

meu objetivo era conhecer a cidade de Manaus e a cultura local que, ao meu olhar patriota, é o lugar mais rico do mundo.

bem, Manaus superou minhas expectativas. Banhada pelo Rio Negro, tem muito lugar legal pra ir e se divertir gastando pouco.

O primeiro passeio que fiz foi ao Bosque da Ciência, no INPA. Localizado no bairro de Petrópolis, zona centro-Sul, é um parque com objetivo de lazer cultural socio-educativo para a população. Lá é possível ver os peixes-boi da amazônia, arinhas, jacarés da região, além de outros animais silvestres livres e soltos como as pacas, cotias, preguiças e macacos. As crianças e adultos se divertem muito. O ingresso custa R$5,00 e é possível chegar de ônibus, táxi / carro.

Peixe Boi da Amazônia

IMG_8169

De lá, peguei um ônibus e fui dar uma volta no centro da cidade, para conhecer o Teatro Amazonas.

O teatro, fica na praça São Sebastião, junto com outras construções históricas super bem conservadas. Eu amei essa praça! Além do visual ser super bonito, muita gente vem tocar violão na praça, conversar, e comer uma comida bem boa no Tambaquí de Banda ou no bar do Armando, super tradicional em Manaus.

IMG_8235

A noite fui até a Ponta Negra. Uma região tipo calçadão com muitas barraquinhas de comida, música, gente tomando banho de rio, atmosfera bem praiana mesmo, no calor úmido dos 26-28 graus!

Uma das coisas mais legais é o Café da manhã regional de Manaus. Eles tem restaurantes enormes só pra isso. No cardápio o tradicional sanduíche Caboquinho (Tucumã, queijo coalho, banana frita) e as tapiocas.  é uma delícia! e as porções são gigantescas. Até agora não sei como estou sobrevivendo sem o tucumã.

Dá pra comer bem por cerca de R$14,00.

Café da Manhã Regional, Manaus

IMG_9119

IMG_9120

Balneário 3 irmãos

A 3,800 km de casa, conheci o balneário 3 irmãos. Fica no km 23 da AM-070, e é bem bacana!

É um balneário de igarapé, um dos braços do rio Negro, onde a água é mais geladinha. Nesse baneário, tem muitos laguinhos com peixes da região, como o Tambaquí, o Matrinchã e até o Pirarucu.

A entrada custa R$5,00, o estacionamento R$5,00, e a ração pros peixes e tartarugas custa R$2,00.

Balneário 3 irmãos

Seguindo em frente, chegamos até a praia do Japonês, em uma das margens do Rio Negro.

Bem, foi demais. A praia é incrível de bonita, principalmente por conta do Rio, que nas beiradas, tem o tom alaranjado, e em algumas partes, a água tem cor de vinho, principalmente com a incidência do sol. Tecnicamente falando o grande responsável por esse efeito no rio, é uma micro esponja chamada Cauxi. Que inclusive muda a cor da sua roupa depois de algumas horas dentro da água.

Nessa praia dá pra andar de banana, caiaque, alugar boias e … nadar muito! De águas muito calmas, só tem banzeiros (marolas) quando algum barco passa por ali.

Ah, e tem mais, a água além de tudo é quentinha. cerca de 28 graus.

IMG_8387

IMG_8409

de lá, fui até as Ruínas Históricas de Paricatuba, no município de Iranduba.

Construída em 1898 para receber imigrantes, o prédio foi abandonado por diversas vezes e reformado outras, até se transformar em um hospital de leprosos em 1925. Em 1962 foi abandonado e até hoje está em ruínas, onde a mata já toma conta do prédio. É bem bonito.

IMG_8469

IMG_8510

IMG_8552

De lá fomos até o Flutuante Abaré. Em Manaus existem muitas construções marginais ao rio, flutuantes, que podem seguir com a cheia ou seca do Rio Negro.

O bar flutuante do Abaré só é possível chegar de barco, e tem acesso controlado. Lá é possível praticar SUP, e ainda ver um por do Sol bem bonito.

Por do Sol no Abaré, Manaus

IMG_8601

No último dia fiz um Passeio de barco pelo Rio Negro. Foi igualmente incrível.

Esse passeio dura cerca de 1 dia. é possível chegar na marina, em frente ao Mercado Municipal, procurar pelo Comandante Cuandu, e fechar o passeio diretamente com ele. Os preços dos passeios ficam por volta de 200,00, com almoço incluso. É preciso perguntar, pois depende da demanda os preços podem variar. Extistem agências que fazem esse tipo de passeio, porém, cobram mais caro.

No passeio, conseguimos ver vilas inteiras com mais construções Flutuantes e vimos também o encontro das águas do Rio Negro e Solimões.

IMG_8709

IMG_9086

Fizemos uma trilha até as Vitórias Régias, uma das plantas aquáticas mais famosas do Brasil.

Quem se lembra da lenda da Vitória Régia, que aprendemos na escola? Relembre aqui.

IMG_8779

IMG_8767

Outro momento emocionante foi o encontro com os Botos. Nosso golfinho de água doce, exclusivo dos rios amazônicos é extremamente dócil e tem a pele com textura emborrachada.

IMG_9079

IMG_9081

IMG_9075

Participamos de um ritual indígena, na Tribo Dessana, na comunidade São João. Lá além de ouvir músicas dos rituais típicos da tribo, ainda dançamos com eles no final. Foi muito muito muito especial.

IMG_8942 IMG_9007 IMG_8969 IMG_9036

IMG_9078

Eu voltaria pra Manaus amanhã. É um lugar muito especial, com pessoal ótimas, hospitaleiras, disponíveis sempre a ajudar, e muito muito generosas.

é uma região abençoada, muito bonita e com vida silvestre abundante.

Tem muitos outros lugares para conhecer por aquela região, como Presidente Figueiredo, Novo Airão e Parintins. Ou seja, ainda tem muita coisa pra fazer por lá, e espero por voltar em breve.

IMG_9112

Onde ficar:

Do ladinho do Teatro Amazonas, tem um Hostel muito charmoso, o Local Hostel Manaus.

Eles oferecem preços acessíveis (cerca de R$50,00), opções de quartos mistos ou femininos, além de todas as dicas dos melhores passeios pra floresta amazônica. 😉

17408_361653277375233_5994140800400581947_n
Local Hostel Manaus

Vem pra MANAUS!

Fontes:

http://www.mma.gov.br/biomas/amazônia

http://www.manaus.am.gov.br/

http://portal.inpa.gov.br/

Fotos: Iphone 5s e GoPro do Dani.

Uma pitada de Pantanal

Ir ao Pantanal era meu objetivo número 1. Quando comecei a cotar valores, foi pro final da fila.
Estava mais barato ir pra Africa do Sul de novo e ficar mais um mês, do que fechar um dos pacotes que estava pesquisando.

Já havia desistido da idéia, quando em Bonito-MS me ofereceram um pacote de três dias e duas noites no Pantanal, por um preço bem razoável.

200 mangos por dia, com tudo incluso (exceto translado até Campo Grande).

O pantanal tem uma beleza muito diferente do que eu pensei que pudesse encontrar.
Diferentemente do clima de perigo eminente que existia na Africa, o Pantanal tem uma calma, uma paz profunda, que ai daquele que não souber aproveitar.

Graças a Deus, eu já estava com minha voltagem 220 desligada, e pude aproveitar cada delicadeza e sutileza daquela paisagem.

Como toda viagem, conheci uma figura: o Elias, o pantaneiro.
Anda descalço todo o tempo, não terminou a 5a série, fala 4 idiomas perfeitamente ( Inglês, espanhol, Hebraico e não me lembro o outro).

A Fazenda Santa Clara ofereceu uma comida deliciosa, o guia bem treinado, uma estrutura muito boa, sem luxos. Mas muito boa.

Tinham pouquíssimos brasileiros. Quem diria que estaria ilhada no meu próprio pais?!
A maior planície alagada do mundo tem seu valor reconhecido pelos estrangeiros. E quase que eu não conheceria essa beleza, se não fosse o pessoal do Hostel.

Fiquei na região de Corumbá, a 120km da Bolívia.
Pesquei Piranhas, cavalgamos, andamos, nadamos no rio de jacarés e piranhas, fizemos um mini Safari noturno e diurno, bebemos água de dentro da árvore ( no cipó d’água) tomamos banho de chuva, alimentamos araras, porcos do mato (cateto), jacarés e conheci muita gente boa!

Finalmente eu entendi que as coisas naturais não são complicadas. Não são maquiavélicas (com o amplo e humano sentido da palavra). Não são cruéis. Elas só são.
Só o que se vê é a tentativa eterna de sobrevivência, de TODOS e eu digo TODOS os seres a nossa volta.
Nenhum deles está posando pras lentes. Nenhum jacaré está esperando vc olhar para o lado para te atacar, pelo contrário, todos estão extremamente incomodados com a sua presença.
E se bobear, pode acabar pisando em algum animal que te meta uma dentada, só pra ficar ixperrrrrrto.

Só é real.

20131118-234202.jpg

20131118-234221.jpg

20131118-234304.jpg

20131118-234428.jpg

20131118-234446.jpg

20131118-234519.jpg

20131118-234543.jpg

Blog no WordPress.com.

Acima ↑