diário da Austrália: alugando uma casa em Melbourne (pqp que difícil)

atualizado em fev 2019

Se tem uma coisa na vida para qual eu não estava preparada é alugar uma casa em Melbourne. Vem que eu te conto minha história de Monopoly.

Continue lendo “diário da Austrália: alugando uma casa em Melbourne (pqp que difícil)”
Anúncios

Praia do Guaiúba e sem carro. 

Cada vez mais conheço pessoas que optaram por não ter carro, e que até nem dirigem. Essa onda de camelos cresce cada vez mais em São Paulo e no mundo. E antes fosse pela consciência de emissão de carbono, mas as pessoas estão deixando de ter carro pelo crescimento das alternativas de locomoção, aumento da violência e chancelada pelo custo de se ter e manter um carro na maior metrópole da América Latina, estão nos levando para esse caminho sustentável. Continue lendo “Praia do Guaiúba e sem carro. “

Dicas pra quem quer viajar sozinha

Não somos loucos, e nem corajosos, apenas não temos medo, e de uma forma ou de outra confiamos muito em Deus.

Viajar sozinha te proporciona uma experiência de completa liberdade e diferente de todas as viagens que já fez, e faz você descobrir muito sobre si e sobre as relações humanas.

IMG_6550

Além disso, quem viaja sozinha sabe do quão vulnerável está, por isso é mais precavida, e não mais maluca!

Depois de colecionar algumas aventuras e desventuras, listei alguns itens importantes pra ter no radar, na hora de viajar. Vam’bora?

1. Táxi e Segurança

Segurança é um dos quesitos mais importantes em uma viagem sozinha. Então fique ligada!

Não é por que alguém gritou “Táxi” que você tem que sair correndo atras dele. Vá sozinha até o ponto de táxi do Aeroporto ou Rodoviária. Tem muita gente que não é taxista e que cobra “mais barato” pra te levar nos lugares clandestinamente. Pra quem está turistando não vale a pena, pois pode ser uma cilada, Bino!

2. Planejamento

Não estou falando de roteiro, mas sim de se planejar financeiramente, organizar os documentos necessários e até vacinas. Precisa ficar esperto para não se perder em detalhes. Além disso, é importante sempre ter uma reserva, caso vc perca o voo ou tenha algum problema no meio do caminho.

3. Bagagem de mão

Sempre existe o risco de perderem a sua bagagem, por isso, sempre levo uma muda de roupa na bagagem de mão.  Salva a vida!

4. Look do dia

Não precisa nem falar que roupas cheias de taxinhas ou botas com metal vão te barrar no detector, né? Precisa sim! Uma vez quase fiquei pelada e quase perdi um vôo por causa das benditas taxinhas =/. Por isso, vale a dica de usar roupas leves. =) Além disso, no avião sempre faz frio (19-20 garus geralmente), vale levar uma blusa.

Além disso, não leve roupas que você não usa no dia-a-dia, e que estão esquecidas no armário. Vai por mim que serão peso morto e ocupar lugar na bagagem.

5. Números SOS

Caderninho de roteiro e curiosidades sobre o lugar que vai visitar é uma boa pedida. Lá, anoto infos úteis, principalmente no caso da bateria do celular acabar, como por exemplo: endereços das pousadas, horários de ônibus e trens, polícia, como telefonar (em viagens internacionais), nomes, valores e etc.

6. Farmacinha

Além de Epocler, rs, muuuuitas coisas podem acontecer durante uma estadia fora. Pensando em algumas delas montei uma listinha bem útil, e precavida, que vale investir:

. anti-séptico

. Anti-térmico,

. antibióticos (sempre sobra de alguma dor de garganta),

. analgésicos,

. Anti-alérgico,

. Band-aids e Microporo (um esparadrapo melhorado).

Não sou hipocondríaca apesar da lista! Eu só acho válido em uma emergência a noite, por exemplo.

7. Cuidados com a pele [Repelente e proteção Solar]

A gente muitas vezes menospreza o maios órgão do corpo humano.

Levar muitas picadas de mosquitos e ter queimaduras ou ensolação, estraga de verdade a sua viagem. Por isso, ficam as dicas:

. O único repelente que funciona e deve ser prioridade na sua bagagem é o Exposis. É uma mini fortuna, mas é o único que realmente repele a maioria dos insetos e dura mais. Vale lembrar que os repelentes mais comuns, repelem só alguns tipo s de mosquitos.  O mais eficiente é o Exposis mesmo. Pelo menos aqui no Brasil. A bisnaga em Gel durou 1 semana de uso intenso [patanal], e o custo médio é de R$ 60,00.IMG_5859

O curioso é que quando fui para a África, li em muito blogs que o repelente daqui não funcionava lá, e que o melhor era comprar o repelente de lá. Bem, fiz isso e funcionou. Por isso, repasso a dica de que se for para outro continente, compre o repelente local. =)

. Proteção solar é muito importante ainda mais se vai pra lugares de muito sol. Exagere no protetor, reaplicando de 1h em 1h. O suor e água fazem com que a eficácia dele diminua. Além disso, exagere mesmo no hidratante. Eu costumo falar pra passar que nem surfista.

8. Eletrônicos e Adaptadores

Os adaptadores são fundamentais. Sugiro comprar sempre no aeroporto, assim que chegar ao destino. Cada lugar tem sua peculiar tomada, que nem sempre é compatível com seus aparelhos, principalmente em viagens internacionais.

Cuidado com seus aparelhos e equipamentos 110v. A maioria dos lugares são 220v.

9. Check-In On Line

Check-In Online é a coisa mais inteligente que inventaram. A fila é algumas vezes  menor, mais rápida e te salva se você atrasa.

10. Facilidades:

. Sabonete líquido: Substitua o sabonete em barra pelo líquido. Não faça a besteira de levar sabão em barra, principalmente se for ficar em hostel, pois  é ruim de guardar depois do banho. ❤

. Chapinha pra desamassar a roupa

Nossa boa e velha chapinha pode ajudar a desamassar as roupas! Juro! Já usei como SOS na hora de desamassar uma blusinha linda! E, posso falar? Funciona melhor do que a dica de deixar a roupa esticada no vapor do chuveiro. Ainda mais se vc vai pra lugares quentes, onde o banho é frio, e nem vapor tem! Só cuidado pois alguns tecidos não resistem ao calor!

IMG_9456

Por enquanto é isso!

Un beso y un queso.

[Post atualizado em outubro de 2017]

como fazer um roteiro de viagem?

pode acontecer da gente decidir viajar, com um amigo ou sozinho mesmo, e nem saber por onde começar.

olha, eu sou do tipo que amo fazer meu próprio roteiro ( pra mim, uma das melhores partes da viagem) e acho que posso ajudar com algumas dicas de por onde e como começar.

não curto muito pacotes, eu mesmo compro a passagem e faço todo roteirinho e as pesquisas. é demais!

Roteiro de Viagem

1 – lista dos lugares sensacionais

bem, primeiro de tudo, independente do destino, faça uma lista de todos os lugares legais e sensacionais do país, estado ou cidade que vai conhecer.  e se não souber nem o que tem pra fazer de legal, é só dar-um-Google, que rapidinho consegue encontrar.

Nas cidades mais pacatas, eu sempre entro no site da secretaria de turismo, procuro sobre o mercado municipal, festas típicas e no Trippics a gente sempre acha alguma coisa.

bem, faça essa lista sem se importar a priori, com custo, tempo e onde fica. simplesmente saia listando os locais e curtindo essas tais fotos incríveis.

2 – time is money

depois de listar esses lugares, selecione os mais legais e veja se cabe nos dias em que vai estar lá, considerando os deslocamentos necessários. nesta fase, sempre acabo olhando passagens de avião, para ir e vir (alguns lugares precisam de deslocamento aéreo). Ex.: Nasca no Peru; Johannesburg na África do Sul, e etc..

junto com esse tempo, já veja também os valores de cada passeio. assim já poderá prever mais ou menos quanto reservar  e como dividir a verba para as atrações.

3 – divisão da verba

costumo dividir a verba da viagem por segmento: atrações, hospedagem, passagem e comida-compras.

cada destino tem um segmento mais importante e é nesse segmento que sugiro destinar a maior parte da verba.

Me explico: se o destino for Nova Zelândia, a maior parte da verba vai ser no segmento Atrações. Já em Paris, destinaria a maior parte da verba para Hospedagem e Comida-Compras (haha).

Isso ajuda muito se a grana for curta, pois você consegue definir prioridades, e na hora de escolher onde vai ficar e incentiva a economizar em alguns itens.

4- Escolher onde ficar

Eu sempre tive pânico de hostel. Peguei uns beeeem ruins na África do Sul (principalmente em Jeffrey’s Bay). Mas, depois que eu conheci o Hi Hostel, minha vida mudou. Só tem hostel legal, no mundo inteiro e por um preço IN-CRÍVEL.

No site deles Hi Hostels Brazil você localiza as unidades credenciadas pelo Brasil todo. Na próxima trip, vou ficar de novo no Hi Hostel de Bonito e também em um hostel da rede na Pampulha. Depois conto detalhes. =P

Hostel é muito legal, como eu falei, mas sinceramente, não abro mão de ficar uns diaszinhos em algum hotel mais gostosinho. O hostel é muito bom, e dividindo quarto você conhece muita gente bacana, e é mais legal ainda quando você viaja sozinho. Maaaas nada como tomar um banhão em um mega chuveiro, né? rs

Com isso, sempre faço isso: a viagem toda em hostel, e 1-2 dias em hotel mais gostosinho pra relaxar bastante.

funciona, vai por mim.

5 – caderninho de bordo 

no final das contas, eu anoto tudo em um caderninho de bordo. nele, eu consigo fazer listas do que levar, do que falta, dos “to do” e que depois, ainda serve como caderninho SOS de telefones úteis, dados das passagens, voos e horários.

Ele é mil por cento útil (e salva a vida) quando acaba a bateria do celular.

 

6- roteiro não é prisão

nao quer dizer que porque você fez um roteiro, tenha que o seguir a qualquer custo. mesmo porque, coisas muito melhores e inesperadas podem surgir no meio da viagem. por isso, sempre deixe 2 dias sem atividade, e só reserve antecipadamente o que for imprescindível (ou muito lotado sempre). Sempre pode chover, mudar o tempo, ou sei lá. seja aberto a mudanças de plano e deixe o destino te surpreender.

bem, é isso.

espero ter dado dicas boas e te inspirado a procurar novos destinos e a fazer seu próprio roteiro.

un beso y un queso.

Table Mountain

Um dos cartões postais de Cape Town e da África do Sul, a Table Mountain foi uma das primeiras coisas que vi, ao sair do aeroporto, à noite, rumo a Sea Point, bairro da escola onde eu moraria por um mês.
A Table Mountain é uma montanha rochosa com o cume reto, que lembra uma mesa. A entrada para subida no ponto mais alto, fica atrás de Camps Bay.

É um dos Top 10 de Cape Town, com certeza. A vista é linda, demais, sensacional, inefável. Vale MUITO A PENA.

Para subir é possível por três caminhos: ou de bonde, ou a pé ou escalando.
Para subir a Table por qualquer um dos caminhos é necessário tomar alguns cuidados antes:

Primeiro, verificar se está funcionando. O tempo muda constantemente por lá. As vezes está o meior calorão e a plataforma está fechada, ou por conta dos fortes ventos (que segundo Kapstadianos pode chegar a 150km/h), ou por conta de nebulosidade absurda no topo, impedindo a visão ou compromentendo a segurança dos visitantes. De qualquer forma, basta entrar no site, ou pedir para o hotel ou escola ligar para o sac da Table Mountain e consultar as condições climáticas do momento.

Segundo, em caso de escalada ou caminhada, o ideal é consultar o agente do hotel ou da escola, pois o ideal é verificar se escalada ou trilha está aberta para o dia, e se possuem guias ou grupos para ambas opções.

Terceiro e nao menos importante, leve blusão de frio. É melhor carregar do que passar o frio que pode chegar no topo. Eu já contei aqui, que passei um dos frios maiores da minha vida, com sensação térmica no topo de 2oC, ventos de 60km/h e QUASE fui para o hospital, pois as mudanças de temperatura (frio congelante por muitas horas e repentinamente taxi com 24oC), quase me fizeram ter um choque térmico inverso. Graças a Deus, um banho de 1h30 bem quente de imersão, analgésicos prar dores de cabeça e anti térmicos, resolveram o problema.

Como chegar: Se estiver em Cape Town, existem aqueles onibus Hop on – Hop off, que fazem um tour pela cidade. Podem te deixar lá e em muitos outros lugares, por aproximadamente 200 rands (50 reais). Eu fui de taxi com mais 6 pessoas (Em Cape Town existem taxis para até 8), sendo que ida e volta custaram cerca de 100 rands (por pessoa).

Quanto custa: Infelizmente não cheguei a pesquisar os valores de escalada e trilha (voce pode checar aqui no site da companhia), mas para subir, o valor é de 195 rands por pessoa (valores de dezembro 2011). Tem valores especiais para crianças (até 17 anos) e idosos.
Sem dúvida vale a pena, é uma das vistas e visitas mais bonitas de Cape Town.

Blog no WordPress.com.

Acima ↑