Mount Buller: dicas do que levar, o que fazer e como ir

Apenas a 3 horas de Melbourne, aqui no estado de Victoria existe uma estação de esqui: o Mount Buller Resort. Ficamos dois dias na região e por aqui, vou dar as melhores dicas do que levar, o que fazer e como aproveitar essa trip que, pra mim, foi um momento inesquecível!

Continue lendo “Mount Buller: dicas do que levar, o que fazer e como ir”
Anúncios

Xiiiiiiiiiiis

uma das partes mais legais em viajar (aliás, da vida) é tirar boas fotos.

eu nem ao menos sei como sobrevivi 22 anos sem Instagram. (desde 2011, tenho cerca de 2,300 fotos publicadas)

eu tive aula de fotografia aos 16 anos, em um curso técnico de Design Gráfico, na ETE José Rocha Mendes, aqui na zona leste de SP. eu me apaixonei pelo ofício. é demais captar a essência do momento através de uma imagem. é demais e difícil também. não é qualquer foto que consegue transmitir o que a gente está sentindo (ou passar alguma emoção) mais profunda.

bem, eu listei alguns pontos bem básicos do que eu procuro prestar atenção na hora de fotografar. são simples, mas úteis, na hora de captar AQUELA foto da viagem:

– Enquadramento, olhar para o todo

a vontade de clicar vem sempre depois do primeiro êxtase, da empolgação do momento, em ver aquela cena ou paisagem indescritível. no entanto, é sempre bom parar por um milésimo de segundo, e verificar se o inicio e o fim do que está sendo fotografado, estão dentro da cena. cortar pé e cabeça de uma cachoeira por exemplo, pode estragar a foto. claro que são salvas excessões, mas vale dar aquela olhadinha antes de clicar, ou melhor, refazer o clique.

Jardim Botânico de Curitiba

– Alinhamento, a vista do sóbrio

a linha do horizonte é sempre a mesma, a não ser em São Tomé das Letras. rs. é sempre bom checar se a câmera está alinhada, pois pode melhorar MUITO seu clique, se o chão que é reto, estiver reto e não em ladeiras rs.

Guararú - SP 1374764_668899103120618_685549140_n

– Testemunha Ocular, um novo ângulo da mesma cena

As cenas emocionantes, e as paisagens exuberantes tem sempre um outro ponto de vista, fora do senso comum, a serem explorados. As vezes procuro pensar: “o que este lugar tem de diferente de todos os outros?” O que esta fazenda pode me mostrar que eu nunca vi?” “o que eu quero mostrar que eu vivi aqui?”

Desta forma podemos explorar outros ângulos da mesma coisa.

10671353_872714412739085_3494252167184107661_n 1962725_872716386072221_7744378507905992199_n 10806192_872764452734081_2010868525624362173_n 10635729_874041802606346_29010075841929018_n

– Luz natural, a luz que Deus preparou

A luz do sol é responsável por nos tirar do escuro, breu total onde não enxergamos nada. Graças aos raios que incidem sobre as superfícies e dos nosso olhos que são capazes de captar essa reflexão, nós conseguimos perceber cores, formas e texturas.

O posicionamento dos elementos perante a luz, faz com que fiquem perceptíveis ou imperceptíveis, por isso, prefira luz lateral ou direta, principalmente quando formos fotografar pessoas. Para fotografarmos contra a luz, mesmo de dia, é necessário utilizar o flash da câmera. ele fará com que o que não está sendo iluminado pelo Sol, apareça na foto.

1375777_666014883409040_1265772246_n

– Noção de grandeza, o ponto de referência

já teve a sensação de fotografar algo extremamente grande e na foto ele parecer bem pequenininho? ou então algo bem pequeno e a foto não retratar o verdadeiro tamanho dele?

muitas vezes quando fotografamos beeeem de pertinho (Macro) ou paisagens, quem está visualizando a foto, não consegue entender a verdadeira grandeza pois não temos nenhum ponto de referência na foto. Alguns recursos em fotos documentais para perícia, os policiais colocam uma nota, uma moeda, ou uma caneta, para que quem está observando consiga ter noção de grandeza.

1234302_645089645501564_1875748511_n

Bem, é isso, todas essas fotos foram tiradas com Iphone, entre 2013 e 2014.

bjbjbjbj

Tipos de Safari na África do Sul

 

Tudo que ficou mais claro no meu coração com relação à Africa do Sul, é que lá é o melhor lugar do mundo para ter contato direto com os animais, e um lugar que muda a vida, por isso, vale muito a pena guardar as economias e investir nessa experiência.

Além de conhecer pessoas incríveis e ouvir histórias de tirar o fôlego, em lugares como esse é possível conhecer mais da real vida selvagem.

Mesmo com essa popularidade toda, muita gente, mesmo lá na África do Sul, fica muito em dúvida sobre o que fazer principalmente quando o assunto é Safari.

Vivenciei algumas coisas na terra do Mandela, e aqui vão algumas dicas:

Para escolher o safari, é preciso entender a proposta, e levar em consideração quanto tempo tem disponível e o quanto pretende gastar.

O que é um safari?

O safari é um jogo, que consiste em passeios em carro (ou a pé) afim de observar a vida animal, vegetação, e meio ambiente local. Pode ser feito em carros fechados, carros próprios ou 4×4 abertos.

Lá, chamam de Big Five os 5 maiores e mais difíceis animais da África. São eles: Leão, Búfalo, Rinoceronte, Leopardo e, claro o elefante.

Kruger Park, O Safari

O Kruger National Park é um dos maiores locais para Safari da África do Sul. Lá é um dos melhores para curtir os animais selvagens em seu habitat, e dá realmente pra sentir a vibe de vida selvagem.

No Kruger  TUDO é natural (lagos rios florestas, descampados, vegetação e e etc), e como mencionei os animais nasceram lá.

Estive no Kruger durante 4 dias no acampamento (existe opção de quartos privativos e mais luxuosos também).  Dormi em uma cabana, e foi incrível, porque as hienas chegam pertinho a noite, tem manada de elefante passando perto de madrugada… MUITO MASSA!

326974_334832379860627_483532218_o
Camping no Kruger

 

IMG_1044
Elefante selvagem

IMG_1047
Hienas, perto do acampamento

IMG_1173
Elefante Selvagem

IMG_1174

IMG_1175

IMG_1177
Insira um título

IMG_1178

Como eu disse em postagens anteriores o GAME 4×4 (ou Safari), é literalmente um jogo, pois pode-se ou não encontrar os animais.  Algumas pessoas não conseguem ver todos, nem após 4 dias de busca.

IMG_1195
Israel, nosso guia por 4 dias de safari.

É cansativo mas vale muito a pena. As histórias contadas pelos guias, a grandiosidade dos animais, e nos depararmos com a nossa fraqueza, muda a vida.

Todo o pacote (contando passagem aérea, hospedagem em Johannesburg e o Safari, desembolsei R$ 2,000.00 em 2011, aproximadamente).

Para este passeio é necessário dispor de pelo menos 5 dias (4 dias só no Safari) pois é necessário estar em Johannesburg as 6:00 a.m. para a saída rumo ao Kruger Park.

A chegada acontece 4 dias depois a noite.

IMG_1375

Existem outros pacotes de menos dias no Kruger. Mas como é uma das experiências mais incríveis na África, recomendo que sejam dedicados mais dias a ele.

Game Lodge

Antes de ir parar no Kruger, fiz um Safari menor no caminho do Garden Route [rota bem famosa que vai da Cidade do Cabo até Port Elizabeth].

Neste lodge, é possível ver o BIG FIVE (Leão, Leopardo, Búfalo, Rinoceronte e Elefante), mas é bem menor.

Você consegue ver os bichos mais de perto. No entanto, essas reservas geralmente são “arranjadas”, ou seja, foram montadas, cercadas e os animais foram postos lá, não é onde nasceram.

É possível tirar boas fotos neste tour que leva cerca de 3 horas sobre um carro aberto.

394731_338575286153003_1561004037_nsa-gardem-route-2378.jpg

Para este Safari, é interessante fazer o Garden Route (Rota 62 pelo litoral Sulafricano), é o que vale mais a pena. TODA trip do Garden Route custou ficou em torno de R$1.000,00 (em 2011) + extras opcionais (Game 4×4 100,00 reais aproximadamente), e você dispõem de 4 a 5 dias. Nesses dias você conhece muitas praias, passa por santuários de Elefante parques nacionais e etc.

Safaris em Cape Town e Wine Lands

Existe ainda”safaris menores” em Cape Town, que custam em torno de R$150 reais, em que você com certeza verá a maior parte dos bichinhos, mas é no esquema quase zoológico. Não tem aquele ritmo aventureiro de vida selvagem, como no Kruger.

NO ENTANTO,  se a ordem é não gastar muito e tempo em Cape Town é pouquíssimo, uma opção em que você consegue ter contato com os bichos, mas que NÃO é safari, é o tour pelas WINE LANDS, em Cape Town.

Lá, além de provar os vinhos, é possível conhecer as CHEETAS [guepardos] – um dos animais mais rápidos do mundo –  e conhecer um viveiro de pássaros MUITO MASSA.

Wine Lands, Cape Town - Africa do Sul

Este Tour dura pelo menos meio dia.

Wine Lands, Cape Town

Seja qual for a sua escolha de safari, fique tranquilo pois a África do Sul foi a melhor de todas. Com certeza será uma das maiores experiências da sua vida.

Respeite e entenda a vida selvagem e a natureza de cada um.

Se tem alguma dúvida, quiser mais infos, comentem aqui ou me mandem e-mail no bah.almeida89@gmail.com

 

Blog no WordPress.com.

Acima ↑